21 de jan de 2009

Um trago de felicidade


Um Trago de Felicidade
Maria Hilda de J. Alão.

Abre a tua alma
e deixa entrar o dia,
sorri, a vida continua.
Não cerres a porta interna
sem ela não haverá
entrada nem saída.
A luz desaparece,
não verás os cacos coloridos
do vitral explodido
da catedral dos teus sonhos,
espalhados pela estrada
prontos para ferir teus pés,
porque tens os olhos vendados
com o véu da dor.
Remove a venda,
acende uma lanterna,
tira a tranca
e escancara a porta.
Fica em pé na soleira,
respira fundo e abre os braços,
convidando todos os passantes
para um trago de felicidade
com o vinho envelhecido
nos tonéis do teu coração.

Um comentário:

Lua disse...

DONO..

" ... não verás os cacos coloridos
do vitral explodido
da catedral dos teus sonhos..."

meus sonhos se tornaram tão mais coloridos..depois que deixei a porta abrir...pela porta adentraram duas pessoas maravilhosas, que depois de um tempo tive e tenho o prazer de chamar " meus DONOS "....

todos merecemos um trago de felicidade...quem dera que esse trago nos embriagasse todos os dias..

lindo poema..
(ps:esse eu entendi..rs)

beijos com carinho..

lua_Sr.Kleiton e Deusa_KL