26 de jun de 2012


Se é pra falar de amor
Mateus e Cristiano






Se é pra falar de amor eu sou mesmo assim
Descomplicado, um completo exageradoDo início até o fim
Se é pra falar de amor, não tenho preconceito
Apaixonado, sem limite, alucinado

Eu sou desse jeito
Tudo isso faço pra te ver sorrir
Na hora do prazer só você me faz feliz

Você é uma deusa de mulher
Em nome do amor, eu faço o que você quiser









Se é pra falar de amor, se é pra morrer de amor
Eu rasgo o meu peito, eu faço do seu jeito

Só pra te ver pedindo bis
Se é pra falar de amor, se é pra morrer de amor
Eu saio do limite, amor, acredite, só pra te fazer feliz
Se é pra falar de amor

Você é uma deusa de mulher
Em nome do amor, eu faço o que você quiser





Se é pra falar de amor, se é pra morrer de amor
Eu rasgo o meu peito, eu faço do seu jeito
Só pra te ver pedindo bis
Se é pra falar de amor, se é pra morrer de amor
Eu saio do limite, amor, acredite, só pra te fazer feliz

Se é pra falar de amor, pra morrer de amor
eu rasgo o meu peito, eu faço do seu jeito
Só pra te ver pedindo bis




Se é pra falar de amor, se é pra morrer de amor
Eu saio do limite, amor, acredite, só pra te fazer feliz

Se é pra falar de amor




23 de jun de 2012

Paixão, amor e cumplicidade


PAIXÃO, AMOR E CUMPLICIDADE



O amor tem muitas fases ou nuances, ele pode ser apenas uma paixão, que deixa nosso coração descompassado, aonde o desejo carnal é maior que o sentimental, que queima o corpo e a alma, como uma chama, mas que com uma brisa se apaga, paixão tem sua intensidade, seu fugor e seu fim, não se sustenta por si só.


O amor da sentindo as nossas vidas, nos afaga, nos faz acreditar que o outro nos completa, que preenche aquele espaço vazio e da sentido a nossa vida, mas se ele nao for cultivado, tudo isso sucumbe a rotina, a falta de tempo para semea-lo, deixando-o morrer aos poucos, o amor precisa ser alimentado diariamente ou ele se perde pelo caminho, na individualidade de cada um, no egoismo da individualidade, na fidelidade exigidada, nos problemas diários e nas prioridades de cada um,  fechando os coração de um para o outro, matando-o aos poucos.


Sou partidario do amor com cumplicidade, esse tipo de amor nos envolve por inteiro, ele é alimentado diariamente pela cumplicidade da relação, no lugar da fidelidade existe a lealdade, no lugar da meias verdades, existe a verdade pura e simples, existe um troca sem cobranças e o desejo de partilhar com outro todos os acontecimentos, até os pensamentos. Na cumplicidade a felicidade é reciproca, o maior desejo é de fazer do outro a pessoa mais feliz do mundo, de partilhar tudo, os seus desejos são os nossos e os nossos o do outro.


As vezes apenas amando, nos sentimos sozinho no amor, mesmo os dois se amando, apenas um é prioridade o outro se torna apenas uma das opções entre varias na rotina diaria. No amor com cumplicidade ambos são prioridade. 
Amar sozinho cansa e o amor se desmancha aos poucos, já que o outro não gasta a mesma energia que o outro lhe dirige. 




Mas quando há cumplicidade no amor, ambos gastam a mesma energia e a relaçao por si só se completa, fazendo de ambos amados na mesma intensidade. Por isso sempre aceditarei que um amor com cumplicidade é a melhor forma de amar e ser amado.